Compreendendo a cocaína

A cocaína é a única droga conhecida por ser uma estética geral e um estimulante do sistema nervoso central. É uma das mais antigas substâncias psicoativas conhecidas e é altamente viciante. Existem várias formas que a cocaína pode assumir: uma forma em pó que pode ser aspirada e ingerida ou uma base solúvel em água que pode ser injetada nas veias. Quando injetado nas veias, o usuário sente uma alta mais intensa e mais duradoura.

“Crack” é um termo comum para cocaína, mas o termo só se refere à cocaína quando é processada na forma de cristal de rocha e fumada em um cachimbo. A cocaína no passado era usada como anestésico, mas todas as aplicações médicas se tornaram obsoletas.

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde e Uso de Drogas e Saúde de 2014 da SAMHSA, cerca de 1,5 milhão de pessoas ou 0,6% da população usa cocaína. É fácil para os usuários abusar de cocaína, levando a vícios e overdoses. Em 2013, houve 4.944 mortes nos Estados Unidos como resultado do abuso de cocaína.

A cocaína produz uma alta que faz as pessoas se sentirem eufóricas e acelera o corpo todo. Uma onda de felicidade e excitação ocorre quase imediatamente e, na maioria das vezes, dura apenas 15 a 20 minutos antes que a alta comece a desaparecer. Algumas pessoas caem após uma alta, experimentando sentimentos de tristeza e exaustão que podem durar dias.

Efeitos na saúde e abuso de cocaína

Em 2014, estima-se que 913.000 pessoas com 12 anos ou mais apresentavam um distúrbio do uso de estimulantes por causa do uso de cocaína.
Para entender o efeito que a cocaína e outras drogas têm no cérebro, é importante entender como o cérebro funciona. O mesencéfalo é a parte do cérebro responsável por liberar sinais de recompensa quando as pessoas têm experiências agradáveis. A dopamina (substância química do cérebro) é liberada dos neurônios durante essas experiências e salta para os receptores ligados a outros neurônios. Uma vez lá, a dopamina libera sinais de prazer e é reciclada.

Quando a cocaína entra no cérebro, ela bloqueia a remoção de dopamina dos neurônios, causando um acúmulo de dopamina. Esse acúmulo é responsável pelos sentimentos prolongados e intensos associados à cocaína “alta”.

A cocaína pode ser abusada pelo nariz, veias e fumad. Também pode ser esfregado no tecido mucoso como as gengivas. A injeção de cocaína por via intravenosa e o fumo, ambos entregam a droga diretamente na corrente sanguínea, levando a efeitos mais rápidos e duradouros.

Dependência de cocaína

A cocaína altera a química do cérebro, resultando em dependência após apenas alguns usos. A cocaína tem um alto risco de abuso e dependência, razão pela qual é classificada de maneira tão perigosa pelo governo federal.
Existem sinais físicos e mentais de dependência de cocaína. Além da corrida inicial e da alta a seguir, você pode identificar um usuário por sintomas que aparecem como:

  • Pupilas dilatadas
  • Aumento da temperatura corporal, freqüência cardíaca e pressão arterial
  • Comportamento bizarro e errático
  • Ansiedade aumentada

A ingestão de cocaína pode causar reações físicas negativas no corpo. Alguns destes incluem:

  • Sentimentos doentios : a retirada pode ocorrer se um usuário frequente de cocaína parar de usar repentinamente. Os sintomas de abstinência podem incluir dores de cabeça, tremores no corpo, náuseas, vômitos e desmaios.
  • Perda de apetite : os viciados geralmente não pensam em comida quando estão concentrados em ficar chapados. Isso pode levar à perda de peso e desnutrição.
  • Ataques cardíacos e derrames : A cocaína acelera o corpo, incluindo o coração e a pressão arterial. Pode levar a ataques cardíacos fatais e derrames.
  • HIV / AIDS e hepatite : Quando a cocaína é diluída, ela pode ser injetada como líquido nas veias. As pessoas que compartilham agulhas ou usam agulhas higiênicas correm o risco de contrair doenças do sangue como HIV / AIDS e hepatite.
  • Úlceras e problemas intestinais : a ingestão de cocaína pela boca pode causar úlceras no revestimento do estômago e gangrena no intestino.
  • Paranóia : as pessoas viciadas em cocaína tendem a sofrer de psicose paranóica extrema. Eles também podem ter alucinações e perder o senso de realidade.

Como uma pessoa abusa de mais cocaína, seu corpo cria uma tolerância à droga. À medida que seus níveis de dopamina aumentam, seu corpo exige uma quantidade maior de cocaína para obter as mesmas sensações. Isso geralmente leva as pessoas a usarem padrões de compulsão alimentar. Um padrão de compulsão alimentar está tomando um medicamento repetidamente dentro de um curto período de tempo, com doses mais altas a cada vez.

A cocaína se torna mais perigosa quando misturada com outras substâncias. A combinação de cocaína com heroína cria uma combinação perigosa conhecida como speedball e tem um alto risco de overdose. Quando a cocaína é combinada com álcool, o corpo cria uma droga chamada cocaetileno. Esta mistura é muito perigosa e muitas vezes leva à insuficiência cardíaca ou ataques cardíacos.

Sintomas do vício em cocaína

Enquanto está no corpo, a cocaína faz com que o usuário se sinta enérgico e mentalmente alerta. Alguns acreditam que isso os ajuda no trabalho ou em outras tarefas. À medida que a droga começa a desaparecer, esses sentimentos desaparecem e são substituídos por sintomas extremos e desconfortáveis. A cocaína afeta o cérebro, o corpo e o estado cognitivo de uma pessoa.

Efeitos físicos:

Os sintomas da dependência de cocaína variam dependendo do método de ingestão e da quantidade de droga.
Alguns sintomas físicos comuns aparentes no uso de cocaína (especialmente bufando pelo nariz) são:

  • Perda do olfato
  • Sangramentos nasais
  • Dificuldade em engolir
  • Rouquidão
  • Um nariz escorrendo cronicamente

Muitos sintomas, no entanto, não são tão aparentes e podem ser fatais. A cocaína geralmente acelera a freqüência cardíaca e a pressão sanguínea, o que pode resultar em distúrbios cardiovasculares. Ataques cardíacos e arritmias são causas comuns de morte nos viciados em cocaína. Por causa da tensão exercida no sistema nervoso, o vício pode resultar em vários efeitos neurológicos, incluindo derrames, convulsões, dores de cabeça e coma. Isso geralmente resulta em morte quando não há ninguém ao redor do viciado para evitar asfixia ou pedir atenção médica. Embora rara, a morte súbita pode ocorrer assim que o primeiro uso de cocaína se a dose for muito poderosa.

A maioria das mortes relacionadas à cocaína envolve uma combinação dessas complicações.

Efeitos mentais:

O vício é considerado uma doença mental. Substitui as necessidades e atividades normais de uma pessoa pelo desejo de obter e consumir a droga. Todos os pensamentos, impulsos e consequências são resultado dessa droga e sua obtenção. Os desejos constantes, a dissociação da sociedade e o estresse do vício podem criar instabilidade mental e comportamento errático.
Alguns dos efeitos mentais do vício costumam aparecer como:

  • Depressão e ansiedade
  • Fadiga
  • Dificuldade de concentração
  • Incapacidade de sentir prazer
  • Aumento do desejo por cocaína
  • Sintomas físicos, incluindo dores, dores, tremores e calafrios

Também se sabe que as pessoas exibem comportamento bizarro, errático e violento durante uma alta mais intensa. A paranóia grave é uma condição comum sofrida pelos usuários de cocaína, na qual eles perdem o contato com a realidade e começam a ouvir sons que não são reais.

Sinais de aviso

É difícil prever os sinais de alerta do vício, pois pode entrar em vigor rapidamente e acontecer com qualquer pessoa. Algumas pessoas têm fatores de risco que as tornam mais suscetíveis ao vício, caso experimentem drogas. Quanto mais fatores de risco alguém tiver, maior será a chance de desenvolver um vício.

Aqui estão alguns exemplos de fatores de risco que podem ser indicadores de dependência:

  • Biologia : As pessoas nascem com certos genes que os tornam mais suscetíveis ao vício. Alguns acreditam que a composição genética pode representar cerca de metade da probabilidade de dependência. Gênero, etnia e outros transtornos mentais também são influências.
  • Ambiente : o ambiente de uma pessoa tem o maior efeito sobre sua chance de dependência. Família e amigos, especialmente, influenciam a capacidade de uma pessoa obter e usar drogas. A pressão dos colegas e a falta de autoridade podem levar os jovens a tomar más decisões em relação às drogas. Pessoas com baixo nível socioeconômico e qualidade de vida são mais propensas a cair na dependência de drogas. Qualquer um desses exemplos pode começar a ocorrência e a escalada do abuso de drogas. Estresse ou trauma de qualquer fonte também pode ser um gatilho para o abuso de drogas.
  • Idade : A idade está intimamente relacionada a fatores ambientais na determinação da probabilidade de dependência. Quanto mais jovem uma pessoa é, maior a probabilidade de ceder a pressões e abusar de drogas. O vício pode ocorrer em qualquer idade, mas os adolescentes ainda têm cérebros em desenvolvimento e são mais propensos a se envolver em comportamentos de risco.

Se você sente que está começando a abusar de cocaína ou já se viciou, existem muitos programas e instalações dedicadas a ajudá-lo a qualquer hora, dia ou noite.

Tratamento da dependência de cocaína

Em 2007, a cocaína representou cerca de 13% de todas as admissões em programas de tratamento para abuso de drogas. Não existe um medicamento ou tratamento que possa curar o vício em cocaína. O vício é diferente em todas as pessoas, portanto não há tratamento generalizado que funcione para todos. É preciso apoio e a combinação certa de medicamentos e programas de tratamento para alguém alcançar a sobriedade.

A popularidade da cocaína desencadeou grandes esforços para criar melhores medicamentos e programas de tratamento. Os tratamentos devem abordar todos os aspectos do vício, desde a mudança na química do cérebro até os fatores ambientais que fazem com que alguém caia no vício.

Tratamento de Dependência

Os programas de tratamento de dependência mais bem-sucedidos utilizam um ou mais dos seguintes métodos:

  • Sessões de terapia com um profissional licenciado
  • Terapia individualizada
  • Educação sobre dependência e recuperação
  • Sessões em grupo para incentivar conversas abertas sobre dependência e recuperação
  • Terapia familiar
  • Facilitação em doze etapas
  • Consulta psiquiátrica
  • Sensibilização e recuperação do trauma

Abordagens Farmacológicas

Não existem medicamentos aprovados para tratar a dependência de cocaína, mas muitos estão sendo testados na esperança de encontrar um tratamento medicinal seguro e eficaz.
Alguns desses medicamentos são vigabatrina (normalmente usada para tratar convulsões) e dissulfiram (normalmente usada para tratar alcoolismo).

Um medicamento de cocaína bem-sucedido seria aquele que poderia reverter as mudanças na química cerebral que o vício cria. A comunicação entre dopamina e neurotransmissores também teria que ser impedida para impedir que os viciados sentissem o resultado agradável. Os cientistas também estão trabalhando em uma vacinação contra cocaína. Impediria que a cocaína fosse capaz de fazer alterações no cérebro. Isso seria muito útil para prevenir recaídas em pacientes que tentam parar de fumar.

Intervenções Comportamentais

Atualmente, o tratamento mais eficaz para o vício em cocaína é intervenções e programas comportamentais.

  • Incentivos motivacionais : Os programas usam incentivos motivacionais para manter os pacientes no caminho certo e nos tratamentos. Os incentivos são prêmios ou vouchers que são recompensados ​​aos pacientes à medida que atingem marcos de sobriedade em sua terapia. Os pacientes são submetidos a exames de urina que determinam se eles mantiveram a sobriedade. Os prêmios geralmente são pontos ou fichas que podem ser trocados por itens mais valiosos. Essa abordagem é amplamente usada em terapias e centros de reabilitação e provou ser muito eficaz.
  • Terapia cognitivo-comportamental : essa terapia é mais útil quando usada junto com outros métodos. Esse método ajuda a evitar recaídas, educando os pacientes sobre o vício e ajudando-os a identificar os gatilhos em suas vidas que os levam a tomar drogas. Soluções e métodos de enfrentamento são oferecidos em um nível individualizado, para que sejam tomadas medidas para evitar gatilhos quando eles aparecerem. O vício decorre de uma ampla variedade de fatores ambientais e de risco, mas esse método visa ajudar os pacientes a perceberem que podem vencer o vício e controlar suas ações.
  • Comunidades terapêuticas : comunidades terapêuticas ou programas residenciais são centros de reabilitação onde pessoas que sofrem de dependência podem ficar por longos períodos de tempo para obter tratamento ativo. Aqui, os pacientes são cercados pelo apoio de médicos, funcionários e outros pacientes. Esses centros também costumam fornecer serviços de apoio que ajudam os adictos em recuperação a se reintegrarem à sociedade quando a estadia termina.
  • Grupos de apoio à recuperação : Programas de apoio local para pessoas que desejam o apoio de outras pessoas, mas não podem se dar ao luxo de ir a uma comunidade residencial. Os grupos de apoio geralmente utilizam incentivos motivacionais e programas de 12 etapas para incentivar a sobriedade. Os participantes são incentivados a compartilhar conversas abertas sobre dependência e incentivar a jornada uns dos outros. Para encontrar um grupo de cocaína anônima na sua área, use o site da organização para encontrar uma reunião local.

Embora as intervenções comportamentais sejam comprovadamente eficazes, o tratamento mais eficaz é a integração de mais de uma abordagem nas mudanças de estilo de vida saudáveis ​​e positivas.

Se você está procurando ajuda para um vício em cocaína e deseja encontrar serviços comportamentais de tratamento de saúde, a NanoPsicologia possue uma área especifica para esse tipo de tratamento. Conheça http://nanopsicologia.com.br/cppr



Deixe uma resposta